Juliana Pivato

Juliana desenvolveu boa parte da sua carreira profissional em multinacionais como Unilever, Mondelez e Telefônica. Com mais de 20 anos de experiência nas áreas de vendas, implantação de projetos e reestruturação de áreas. Formada em Administração de Empresas (PUC-SP), com Pós-Graduação em Finanças/Contabilidade (FAAP-SP),  e MBA em Gerenciamento de Projetos (FGV) e Especialização em Business Intelligence/Analytics (PUC-MG). Completou sua experiência no universo das Pequenas e Médias Empresas com a formação em Empreendedorismo do Sebrae e ONU.


Atualmente é consultora em gestão empresarial com foco em reestruturação de empresas ou deficiência nas áreas de Finanças, Vendas, Marketing e Planejamento Estratégico. Seus textos como nossa colunista abordarão temas sobre Negócios, Comportamento e Tendências. Para saber mais acesse suas redes sociais e site.

A covid mudou sua vida? Ainda tem mais por vir.

Muitas mudanças ocorreram em nossas vidas, algumas já foram incorporadas a nossa rotina e outras chegarão aos poucos.

Juliana Pivato

21 de setembro de 2020

A Covid tem alterado vários aspectos de nossas vidas e muitas coisas mudarão para sempre. Mudanças profundas, como a nossa experiência de consumidores, funcionários e nossas  relações humanas.


Para atender a essas novas necessidades, as empresas precisam trazer respostas imediatas. Marcas ou lugares que frequentávamos, antes estavam prontos para atender ao nosso nível de exigências, entretanto, agora esta agilidade em se reinventar, pois é essencial para sua sobrevivência.


Concorrentes mais preparadas tomarão seu lugar. Nós, como consumidores, passamos a priorizar marcas que “resolvem nossos problemas”, que entregam uma experiência de consumo agradável e simples.


“Se eu posso fazer online, eu farei!”. Mesmo quando descobrimos que tudo pode ser feito de forma virtual, sentimos muita falta do contato físico de algumas interações. Mas, neste novo contexto, os vencedores serão quem testar e explorar possibilidades criativas de se comunicar, consumir, trabalhar e se divertir.


“Eu preciso cuidar da minha saúde e da minha família, como prioridade”. As pessoas estão concluindo que não podem contar com estruturas de saúde existentes, como academias para manter sua saúde equilibradas, mas querem toda ajuda que podem obter, em todos os aspectos de suas vidas. Haverá demanda por experiências de saúde em todas as áreas, como aulas virtuais de Yoga, consultas médicas e psicológicas.


Grandes decisões serão melhor avaliadas e postergadas. Decisões como: onde viver, onde trabalhar ou grandes compras se tornarão um processo que provoca ansiedade. Estamos todos com maior aversão ao risco diante de incertezas de estabilidade financeira, priorizando o convívio familiar, qualidade de vida (saúde), tempo e dívidas.


Uma parada forçada em nossas vidas nos obrigou a olhar novas formas de viver, valorizando o tempo, novas experiências, relações de amizade e familiar. Cabe a nós pensarmos “como” reagiremos diante destas mudanças. Resistiremos ao antigo, sofrendo com a perda dos velhos hábitos Ou olharemos o “novo” com um olhar de curiosidade, sendo um presente, uma nova chance que a vida nos proporcionou?


Este texto foi escrito com base no estudo realizado pela consultoria internacional Accenture (link

https://www.accenture.com/us-en/about/company/coronavirus-human-experience), publicado em Abril/20.

Juliana Pivato

LEIA TAMBÉM